Byron Lee: da fundação do Ska ao tema de James Bond

“This is Ska” é um especial gravado para a TV norte-americana em 1962 com a primeira grande banda de ska da ilha, o Dragonaires. Byron Lee, frontman e manager do grupo, foi também pioneiro em promover a cultura caribenha e jamaicana dentro e fora do arquipélago — antes de outros pesos-pesados como Coxsone Dodd, Bunny Lee, King Tubby e, claro, Bob Marley.

A sacada de Lee esteve antes na produção que na música. Inicialmente uma banda para festas e celebrações (principalmente pra inglês ver), o Dragonaires foi ao poucos calcando o ritmo que seria a novidade do país recém-independente. Lee percebeu que existia no vácuo da descolonização espaço para um som jovem, autóctone, livre de partidarismos e, possivelmente, exportável. A grosso modo, ritmos do caribe como Mento e Soca entraram na argamassa com R&B e Soul norte-americanos. Africanismos de cá e de lá, o Ska surgia como elemento originalmente jamaicano pela releitura que operava nesses gêneros. Ainda havia a peculiaridade das danças, a utilização de instrumentos elétricos (órgao Hammond e guitarra Fender) e a escola de canto de Kingston.

Isso tudo fica evidente no concerto, realizado no último ano da Jamaica como colônia britânica. Não bastasse a gravação, totalmente coordenada aos moldes de um grande festival da canção, o Ska tinha importância até para o Estado. Um dos primeiros estúdios usados nas gravações era do primeiro ministro jamaicano, que se interessava pela “causa”. É o caso de clássicos como a abertura “Jamaican Ska“, eternizado posteriormente na voz de Desmond Dekker, the King of Ska.

O rei não está no lineup do show, mas, além do falecido Byron Lee, é chance única de ver Jimmy Cliff pré-Reggae, The Maytals pré-Toots (embora ele esteja no palco) e Prince Buster pré-Rocksteady. Esses são alguns dos responsáveis pelo que entendemos hoje por música jamaicana, bem antes do Marley e paralelo aos Skatalites.

Apesar de já existir a essa altura, o grupo não aparece no vídeo porque, diz a lenda, a aparência dos Dragonaires incomodava menos o público branco dos Estados Unidos. O curioso é que a gravação foi feita no mesmo hotel em que seriam realizadas as tomadas do primeiro filme do James Bond, Dr. No. O debut do espião na Jamaica teve influência do seu criador, Ian Fleming, que morou um tempo na costa da ilha. Mal sabiam ele e o racista médio estadunidense que, anos depois, o próprio Skatalites faria uma das melhores versões para o tema.

PS: A semelhança da festa de 1962 com bailes funks e blacks é mera reincidência.

PS2: A dica do documentário veio do chapa Paulada que toca o Ouveaê.

Facebooktwitterredditpinterestmail
[ssba]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *