Category Archives: Cinema

Cinema, Música, Vídeo

O encontro de Jefferson Airplane e Jean-Luc Godard

Godard

Ainda sobre o 56º Grammy: a premiação também foi palco para Ringo Starr e Paul McCartney comemorarem, sem tocar Beatles, os cinquenta anos de sua primeira aparição na TV norte-americana — ou o primeiro passo na dominação global da banda.

Dali em diante seriam precisos cinco anos para que os quatro fizessem seu último show como grupo. O concerto no terraço da gravadora Apple ficou tão famoso que ofuscou um brilhante capítulo da cultura: o encontro de Jean-Luc Godard e Jefferson Airplane em Nova York.

Foi em novembro de 1968 quando o diretor francês resolveu voltar ao país norte-americano. Na França, a primavera daquele ano já morria em inverno. Nos Estados Unidos, ao contrário, Godard acreditava que encontraria a revolução.

O panorama daquele momento seria captado por ele no documentário One American Movie, cujas gravações começaram em outubro. Na internet, esse túnel do tempo, uma das cenas está disponível como making of para quem quiser ver.

No dia 30 de novembro daquele ano, no topo do hotel Schuyler, em NY, o Jefferson Airplane toca House at Pooneil Corners. O diretor francês aparece aqui e acolá no vídeo, filmando de outro prédio. Sobre o crescendo lisérgico da canção, a voz xamãnista de Grace Slick rebate nas muradas ao redor e os transeuntes viram plateia.

Ao fim de uma única música a polícia aparece para acabar com a apresentação, ao contrário do que aconteceu no show londrino dos Beatles. Godard não foi preso e rumou para o Canadá poucos dias depois sem terminar o filme. Estava fechado o ano de 1968.

Facebooktwitterredditpinterestmail
Cinema, Música

A nova Menina Dança de Baby do Brasil

A Baby do Brasil voltou. No alto dos 60 anos, não é mais menina — mas dança. Veja aí.
O retorno aos palcos e ás grandes músicas veio a convite do filho, também músico, Pedro Baby. Ele é arranjador, em todos os sentidos, da volta da mãe.

Ela não largou o gospel, como disse em entrevista. A bem da verdade, se permitir-se a essas escapadas profanas de vez em quando, não tem mal no casamento.

Pena que Baby não tomou a decisão a tempo do lançamento do filme Filhos de João. Ela pediu que todas as suas falas do documentário fossem retiradas do corte final.

Vi lá no Deep Beep.

Facebooktwitterredditpinterestmail
Cinema, Política

Ai Weiwei está preso

As Olimpíadas de Pequim eram o grande sinal de que a China estava se modernizando, tornando-se mais aberta e, quem sabe, até livre.

Eram.

Quem percebeu isso antes mesmo da abertura do evento foi o artista Ai Weiwei. Ele ajudou a construir o palco para o show que embasbacou os babacas ocidentais, o Ninho do Pássaro. No entanto, Weiwei (uei-uei) não compareceu ao evento ao se dar conta da sujeira em que o ninho estava mergulhado.

Não é novidade para líderes mundiais no que se tornou a China comunista. Eles apenas fingem que não sabem que lá existe um outro ninho, o ninho de burocratas sustentado por força repressora, trabalho barato e produção em larga escala.  Os sínicos orientais são os operários do mundo e os cínicos ocidentais, são os patrões do mundo.

Pois bem, Weiwei cansou de fingir que não sabia dessa negociação sonsa e tacou o foda-se para o partidão. Literalmente. É com o dedo do meio em riste em fotos e vídeos que Weiwei mostra, explicitamente, sua empreitada ativista em prol de mais liberdade na China.

Acontece que Weiwei foi vítima do esperado.

No dia 3 de abril ele foi preso enquanto tentava sair do seu país. Antes ele já tinha sido vítima de ataques da polícia, mas só agora o pior se consumou de fato.

O que você pode fazer pelo cara? Não muito sentado defronte ao computador, mas contribuir com o filme “Ai Weiwei Never Sorry” é um passo.

A diretora Alison Klayman precisa de grana para a pós-produção do documentário e fez o pedido pelo site kickstarter. Ela já alcançou a quantia inicial do projeto, de 20 mil dólares. Só que a gente sabe que ajuda nunca é demais — ainda mais num caso desses, em que a finalização de um filme pode significar a liberdade de um homem.

Facebooktwitterredditpinterestmail
Cinema

O filme perdido do Kubrick

E essa, hein? O primeiro filme do Kubrick, o Paêbirú dos filmes — pela quantidade de cópias, e não pela temática, eu acho — está disponível no Google Videos numa versão sem cortes, quase pura.

É uma hora e doze minutos de uma fita mal gravada e dessincronizada sobre uma guerra em alguma floresta tropical em que os soldados tem que lutar, digamos, contra si próprios.

Um estudo para Full Metal Jacket?

Veja aí, eu não tive paciência pra ver e só pensei na frase acima com os cinco primeiros minutos da fita.

Ah, aproveita que é só até dia 29.

Facebooktwitterredditpinterestmail
Cinema, Música

Nove filmes para ver no In-Edit Brasil

O festival chega à terceira edição brasileira mais magrinho e comedido.
Nenhum dos filmes foi visto por esse que vos escrever, mas essa é a impressão que passam as listas, as sinopses e os trailers se comparadas a anos anteriores em que tivemos Public Enemy e Wilson Simonal nas telas.

De qualquer maneira, deu para pinçar nove opções que devem valer a ida ao cinema:

La Colifata, a história de uma rádio de um manicômio argentino

William S. Burroughs: A Man Within, sobre o beatnik que mais influenciou essa tal contracultura

High on Hope, que conta o nascimento das raves no Reino Unido

Coming Back for More, sobre o sumido e genial Sly Stone

Soul Train, the hippest train in America, é sobre o Programa do Chacrinha da música negra americana
Não tinha trailer e esse vídeo é muito bom!

Toots and the Maytals – Reggae got Soul, que lembra o tempo da banda que primeiro disse a palavra reggae num disco
Outro sem trailer.

Who killed Nancy?, uma investigação sobre mais uma das mortes malcontadas da música

Nas paredes da pedra encantada, que coloca o recente ido Lula Cortês numa revisita a seu disco pedra-angular da psicodelia brasilóide

E aí, Hendrix?, é um olhar brasileiro sobre a o homem que tinha uma guitarra no corpo

Pra quem quer mais: http://in-edit-brasil.com/

Facebooktwitterredditpinterestmail