Category Archives: Cultura

Cultura, Jornalismo, Música

O pacto de sangue entre rap e futebol na França

Como ocorre no Brasil, o fim de cada jogo da França na Eurocopa 2016 acompanhou intermináveis mesas redondas na TV. Após a derrota para Portugal, todas lamentavam o gol do atacante Éder e tentavam, em vão, explicar o porquê do vice-campeonato.

Dias antes, nas quartas-de-final, o clima da análise era oposto: a maior parte das discussões celebrava os pormenores da goleada de 5 a 2 na Islândia. No canal i-Tele, um grupo questionava o gesto de Paul Pogba, meio-campista francês, ao comemorar seu tento. “Não seria uma ofensa ao público?”, questionou um deles.

“Isso é um dab”, respondeu Djibril Cissé. Com a tranqulidade de quem revela um segredo conhecido, o ex-jogador explicou que aquilo era um passo de dança importado do hip-hop. Era mais um exemplo da frutífera relação entre rap e futebol na França.

“Os jogadores estão muito próximos do rap por aqui, eles escutam esse tipo de música no vestiário, eles estão atualizados com o que tem de novo”, explica Mohammed Sylla. Mais conhecido por MHD, o rapper de 21 anos é a mais recente sensação do hip-hop francês Com seu chamado “Afro-Trap”: uma mistura de texturas do oeste africano a arranjos e prosódias clássicas do rap norte-americano.

Continue reading

Facebooktwitterredditpinterestmail
Cultura, Jornalismo

Choffer sobre duas rodas

Valdo Rodrigues de Sousa tem uma excelente memória. Ele sabe de cor dezenas de caminhos espalhados pela cidade de São Paulo. Nada que um motoboy não tenha na cabeça, ainda mais no seu caso: Valdo é o motoqueiro oficial do senador Eduardo Suplicy (PT-SP) — ele também lembra da maioria das corridas que fez com o político.

O que Valdo não consegue dizer com precisão é a data da primeira vez em que atuou como chofer-motociclista. Estima dez anos desde o dia em que o estafe do senador ligou para a sala da sua microempresa na rua Pamplona. “Eu falei: ‘Pegar o senador?! Vamos lá ver’. Imaginamos que fosse trote.” Não era. Naquele dia, por volta das 18 horas, o senador subiu na garupa do motoboy e eles fizeram em 15 minutos um trajeto que, de carro, levaria 1 hora. Outro dia Valdo levou Suplicy do centro até a zona leste, e uma vez, na rota mais longa, foi da casa do político até Carapicuíba, na Grande São Paulo.

Continue reading

Facebooktwitterredditpinterestmail
Cultura, Jornalismo

Semente uruguaia

Raquel Peyraube acende um cigarro. Não é maconha, é tabaco. “Não uso marijuana”, avisa com arrastado sotaque castelhano. A uruguaia é uma das maiores especialistas em entorpecentes do mundo. Ela é uma das lideranças que colocaram em curso a legalização da maconha no Uruguai. O resultado dessa luta veio em maio de 2014, quando o presidente José Mujica sancionou a lei que prevê a produção e o consumo regulamentados da Cannabis no seu país.

Hoje, Raquel é assessora do Instituto de Regulação e Controle da Cannabis, órgão criado com a recente lei, e também diretora clínica do Iceers, ONG global para promoção de terapias médicas naturais. Ocupada em se certificar de que a lei tenha a eficiência desejada, a médica arruma tempo para palestrar e discutir com líderes de outros países. Ela acredita que a aprovação da lei é tão importante quanto sua divulgação. “O Uruguai mostrou que existe uma mudança possível, mas cada país tem de buscar sua própria mudança”, afirma.

Em entrevista à Tpm via Skype, Raquel falou sobre sua jornada no Uruguai e comentou questões brasileiras.
Continue reading

Facebooktwitterredditpinterestmail
Cultura

Um trenzinho de doido

Durante a perseguição a um caminhão colorido, cheio de luzes e personagens, um garoto de bicicleta aborda o fotógrafo Felipe Larozza. Papo vai, papo vem, ele descobre que somos de São Paulo e, com um olhar curioso, indaga: “Como são os trenzinhos de São Paulo?”. Em São Paulo não tem disso, não, mas em Ribeirão Preto, onde vive o pequeno, todo mundo tem uma história com trenzinho. Contarei algumas das que ouvi e todas que vivi ao desbravar o mundo de reluzentes colossos mecatrônicos, seres antropozoomórficos, casamentos entre profano e sagrado e confrontos de todos os tipos em uma cidade rodeada por um denso cinturão de cana de açúcar no interior de São Paulo.

Distantes do centro da cidade, nas quebradas onde as classes se confundem, jovens de máscaras e corpos vestidos com roupas malucas dançam, pulam, correm, brincam. Veículos imensos arrastam pequenas multidões ao som dos últimos lançamentos musicais em meio a uma erupção de cores. O povo admira, interage, para ou vira a esquina. Correm luzes como as das aparelhagens de Belém, gambiarras de baile funk, sistemas de som de trio elétrico, referências carnavalescas, símbolos infantis e delírio adolescente.

A nossa bandeira foi investigativa e nossa entrada, pacífica. A ideia platônica de trenzinho da alegria estava em nossa mente: um veículo mais ou menos comum que reboca vagões coloridos seguido por pessoas fantasiadas formando um pitoresco comboio cuja única função é circular pelos pontos turísticos de cidades pequenas — a orla, o coreto, a igreja, a ponte mais bonita. Sabíamos, contudo, que em Ribeirão Preto havia alguma coisa diferente por causa do trenzinho mais famoso do Brasil, o Trenzinho Carreta Furacão.

Ele foi o primeiro tipo exportação da cidade. No vídeo que correu a internet em 2010, Mickey, Fofão, Palhaço, Capitão América e Popeye marcam a cultura popular do país ao deturpar nosso imaginário lúdico com molejo, suíngue e mistura que só um Brasil brasileiro é capaz de oferecer. “Samba do Mestiço”, na trilha do vídeo original, canta para seguir em frente e olhar para os lados. E nessa toada o Carreta Furacão chegou aos canais de TV aberta naquele ano.

Os trenzinhos hoje são marco na internet brasileira em novos clássicos como Fofão sobe o muro, mas eles também são parte fundamental de Ribeirão Preto há pelo menos trinta anos. E isso não fica evidente na piada do meme ou do programa de auditório. A cidade tem a única organização exclusiva da classe no país, a Associação de Trenzinhos, com 14 empresas. Esse é apenas mais um detalhe de um fenômeno cultural interessante e de muita festa.

Tem que fazer por merecer pra ser o Fofão

Seus protagonistas são garotos como Renan e André Luiz “Sheyck”. Os irmãos de 17 anos, com apenas meses de diferença de idade, vivem na periferia de Ribeirão Preto. Eles estudam e trabalham de dia. À noite, saem de casa com uma fantasia remendada e um capacete de isopor embaixo do braço. De 20h a 23h, são estrelas do Trio Big Folia, trenzinho da empresa Dominium — também proprietária do Carreta Furacão. Um dos maiores da cidade, o mastodôntico duplex ambulante de luminosos e som potentes é palco para Renan, o Palhaço, e André, o Fofão.

“Tem que fazer por merecer pra ser o Fofão”, diz André. O cruzamento de espécies que resultou no personagem original não previa a aparição de uma linhagem hábil nas peripécias que ele faz. O Fofão de André sobe um muro e posa sob a luz em seu topo ao som de MC Sapão, dá um mortal apoiado na parede como Jackie Chan e treme os quadris freneticamente como uma integrante do Bonde das Maravilhas — tudo em cinco minutos. “Tem que ser louco!”, completa Renan. “Tem que passar dos limites!”

Encarnar o Fofão é atingir o mais alto nível no plano de carreira dos trenzinhos. O Palhaço vem a seguir. “É como qualquer empresa: quer subir?”, me perguntou Renan. “Tem que fazer por merecer.” Os personagens com as cabeleiras vastas são os mais cobiçados entre os dançarinos. Com trejeitos femininos, eles jogam as madeixas de lã de um lado para o outro. Nasce um novo gênero com uma dança que mistura passinhos do funk paulista, breakdance e footwork.

A coreografia é liderada pelo dançarino que dispara à frente. “Trenzinho é um pouco de tudo: axé, sertanejo, funk, arrocha, eletrônica”, explica Renan. Tem também parkour aplicado aos obstáculos próprios de uma cidade do interior, destreza de pixadores na escalada de muros e acrobacias circenses e humor pastelão de grupos como Os Trapalhões ou Os Três Patetas — ainda não tenho certeza se um cachorro realmente mordeu a bunda de um dos dançarinos que rebolava junto ao portão de uma casa.

Os garotos pouco ensaiam e de vez em quando vão a um parque para tentar uns passos. Quedas e acidentes são frequentes, mas a máscara dos personagens não cai. Enquanto dão voltas pelas quadras, os trenzinhos disputam espaço com carros e motos acostumados à festa itinerante. Entendi por que o Popeye é atropelado enquanto o Fofão sobe o muro quando eu mesmo corria ao lado dos trenzinhos. “Eu já fui atropelado por bike, moto, carro”, diz Renan. “Teve uma moto que me jogou pro alto, mas nem me machucou.”

dosie_trenzinhos_larozza-2950

Leandro Wesley e os irmãos Renan e André Luiz “Sheyck”. Crédito: Felipe Larozza

Continue reading

Facebooktwitterredditpinterestmail
Cultura, Jornalismo

O Sussurrante Mundo dos Orgasmos Mentais

Bem que tentei. Algumas vezes rolaram durante o trabalho. Nem tão concentrado quanto (acho que) deveria, mas prestando atenção mesmo que envolto do corre corre cotidiano. Confesso que me senti meio ridículo com a chance de algum olhar de soslaio pro meu computador. Ainda assim, segui em frente. E nada. Cheguei em casa pronto a mais uma tentativa. Silêncio total na madrugada. Eu, a tela, os fones, a moça do outro lado. Dei play no vídeo. Esperei. Relaxei. Ouvi e vi. E nada de novo — nem coito interrompido. Eu não tive um orgasmo mental.

“Eu sinto um formigamento mesmo. Como se fosse um arrepio que vai descendo. Sai da parte posterior da cabeça e desce a coluna”, me disse Anne Carolline Bispo, uma jovem de Aracaju que tem ASMR. Resumida como “orgasmo mental”, a sigla responde, em inglês, por Resposta Sensorial Autônoma do Meridiano. O termo soa pomposo, mas seu significado não tem base científica confirmada. Assim como outras tantas subculturas contemporâneas, esse conceito e seu universo surgiram em fóruns dessa infinita espiral chamada internet.

O ​Reddit concentra as primeiras menções de ASMR que se tem notícia. Relatos espaçados aos poucos formaram uma comunidade de gente que viu que não estava sozinha. Em comum, essas pessoas têm sensações que vão de formigamento a arrepios e extremo relaxamento. A causa disso são ruídos em volumes baixos: unhas raspando e batucando em pedaços de plástico, lâminas e embalagens sendo amassadas e dobradas, líquidos caindo e respingando e, principalmente, pessoas sussurrando em baixo e bom som.

“Lembro da minha infância. Quando eu ia no supermercado, eu ficava observando mulheres fazendo compras, olhando os produtos, mexendo neles. Eu ficava relaxada com aquilo. Eu me sentia estranha porque eu achava que só eu sentia isso”, explica Anne. “Descobri que sentia isso recentemente, quando eu estava na faculdade. Eu estava estudando com uma amiga. Ela estava lendo, passando as folhas. Eu sentia sono ao mesmo tempo que sentia meu corpo tremer. Eu ia dizer o que pra ela?”

A causa disso são ruídos em volumes baixos: unhas raspando e batucando em pedaços de plástico, lâminas e embalagens sendo amassadas e dobradas

A dúvida continuou a coçar a cabeça de Anne até que, depois de um dia cansativo, ela descobriu a categoria do ASMR ao buscar vídeos de relaxamento no YouTube. “Eu fiquei abismada. Eu não sabia o que a moça do vídeo estava fazendo que eu estava tão relaxada”, conta ela. Foi mais ou menos a mesma coisa com Rafael Tudorov, jovem de São Paulo que também sente orgasmos mentais. “Cheguei em casa bem cansado do trabalho e assisti a um vídeo desses. Foi como se fosse aquele I-Doser”, me disse ele.

Continue reading

Facebooktwitterredditpinterestmail