Democracia e a mesmice dos novos tempos da política


Eleições chegando, trazendo consigo o desgostoso e embolorado engodo do poder está nas suas mãos. Não passa da ludibriação da democracia, amalgamada aqui numa lavagem suína (e pré-cerebral) para que seja concebida como sinônimo de voto. Votar é legal — e, para a maioria, obrigatório, mas isso é detalhe.

Vote, adolescente de 16 a 18 anos sem oportunidades de boa educação, que dirá de bons empregos; vote, senhor velhinho que faz da sua aposentadoria tripas coração para comprar remédios e manter o coração e as tripas; vote, você aí dessa cidade afastada, essa sem luz, água, saneamento e uma câmara pra lá de requintada e confortável; e vote você também, que, numa condução lotada, se locomove todos os dias da periferia para o centro e vice-versa, afinal, no dia da votação você vota aí pertinho de casa, numa escola (ou aquilo que se propõe a sê-la).

Pelo menos dá pra achar graça, caso você seja brasileiro. Se você levar na esportiva, até consegue dar uma risada aqui, um comentário feliz acolá, mas nada de mais. Se você levar a sério, sim, você racha o bico. É quando você diz “tem que rir pra não chorar!”, tamanha a graça da desgraça em que estamos envoltos. Aliás, o anedotário da propaganda política, assaz hype e antenado, vem acopanhando a rede e vem se mostrando tão criativo quanto no meio televiso.

Porque na internet, você tem interatividade.

Na web você conhece seu candidato até na mais íntima roupa suja!

E na world wide web você também descobre que é tudo muito rápido, tudo muito veloz.

Sem esquecer de como a política está por todos os lados.

Além de tudo, é versátil:

Pois se a política, para esse senhores e senhoras, pode ser tudo isso (e mai$ um pouco), porque a democracia se restringiria ao voto? Democracia vai além de muita campanha e 5 dígitos. Democracia é a voz uníssona e constante de pessoas que gritam para terem as suas necessidades atendidas e respeitadas; nem sempre são as melhores precisões, mas é assim que se caminha para esse tal melhor. Que interessa? A essa orquestra não estamos acostumados. O que toca em loop por aqui é a Ode a Charlamentarismo.

Por causa desse post eu até lembrei dum grifo meu num livro. É de um antigo jornalista francês, Prosper-Olivier Lissagray, sobre a Comuna de Paris — provavelmente o único movimento revolucionário que deu, realmente, poder ao povo:

Em 1848 disseram ao povo: “O sufrágio universal torna toda insurreição criminosa; o voto substitui o fuzil.” E, quando o povo vota contra os seus privilégios, eles se encolerizam; todo governo é faccioso se levar em conta a vontade popular. O que resta ao povo, se não o argumento peremptório, a força? Ele por fim a tem.

*foto do flickr do Jaume d’Urgell.

Facebooktwitterredditpinterestmail
[ssba]

One thought on “Democracia e a mesmice dos novos tempos da política”

  1. oi fê!
    primeiro meu, parabéns pelo blog, pra variar seus comentários continuam ácidos e pertinentes, só atente sempre aos possíveis erros de digitação q podem aparecer…

    pois é, época de eleição me dá desgosto…todo dia, eu me levanto e falo: “hoje eu vou olhar os programas de todos os candidatos.”, mas eu ando tão de saco-cheio que mal olho o orkut, que dirá proposta governamental……rs, tá vendo a que ponto chegamos? a questão não é mais o idoso de ínfima aposentadoria, nem da família sem tratamento de esgoto…qdo se consegue atingir os mais “letrados”, os que mais se esforçam em “politizar-se” é que se tem a real noção que o sistema realmente levou à bancarrota a nossa dignidade, conformou nosso conformismo…
    É, tempos difíceis os nossos…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *