Do ato, efeito ou origem de beber

Agora é o esquecimento

Um grupo de cientistas da Universidade de Sussex, na Inglaterra, revelou que o álcool facilita a criação de memórias para eventos emocionais – na maior parte positivos – vividos antes da intoxicação e prejudica a criação de memórias para eventos – muitas vezes negativos – ocorridos depois do consumo abusivo de bebidas.

Os grifos são meus. Esse aí já deve ter feito muita captação (leia-se: ter ficado inúmeras vezes bêbado) pra chegar a essa conclusão. Ou não.

Seja como for, informação relevante não é o porquê da tal amnésia, mas sim como evitá-la! Ou não, também.

Por outro lado, o porquê daquilo que leva muitos à amnésia (leia-se: ter ficado bêbado vezes inúmeras) é de suma importância.

Ainda mais se se relacionar com a evolução (ou não, de novo) do homem.

“Ao contrário, eu afirmo que a agricultura surgiu de uma situação de abundância. A humanidade experimentou com o cultivo de cereais e utilizou o grão como complemento alimentício. A intenção inicial não era fazer pão com o grão, mas fabricar cerveja mediante sua fermentação”

Aaah, agora sim faz sentido.

fotos do flickr da querida clementina

Tenho a ligeira impressão de que esse post cairá no gosto de muitos amigos — a rodo, não, diria a litro!

Facebooktwitterredditpinterestmail
[ssba]

6 thoughts on “Do ato, efeito ou origem de beber”

  1. não acho que seja preciso muita “captação” para se chegar a essa conclusão!

    mas se o homem tivesse evoluído para tomar cerveja, onde caberiam os que não tomam?
    seria uma evolução além, acima daqueles que evoluiram pra isso?
    acho que sim, hein…

    (e nada de dizer “ou não” no final de cada frase… só vale dizer “não” se for início, do tipo: “não, com certeza” 😉

  2. eu diria que não é preciso nem ser cientista nem fazer muita captação para se chegar a essa conclusão sobre as amnésias alcoólicas, mas enfim…

    sobre a evolução, o que aconteceria com aqueles que nao gostassem desse complemento alimentício, a cerveja?
    nao cultivariam os “cereais”?
    ou cultivariam para o pão mesmo e tudo isso é balela?!
    ou eles estariam num nível superior de evolução?

    sabe, acho melhor vc não dizer “ou não” ao fim de cada frase.
    melhor deixar o não para o começo.
    (e aí vc pode ir treinando com um “não, com certeza!”)

    😉

  3. aaah, besta!
    achei que meu comentário nao tinha ido e fiz outro, nao sabia que só aparecia depois que vc aprovasse:

    “Seu comentário foi salvo e será exibido após a aprovação do proprietário do blog.”

    que bichiceeee!
    hahahaha

  4. Quem escreveu esse post??
    O Caetano Veloso???
    Ele que tem mania de falar “ou não”, e não você, Log!=D
    beijocas recheadas de saudades!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *