Escuta Só #7 – Beach House, SBTRKT, Metronomy, Ellie Goulding, Bonobo, La Femme, Panda Bear

Acorda pra cuspir. E ouvir.

Vinyl Sleeping

Beach House – Saturn Song

De entrada, a novidade do Beach House. Menos shoegaze que de costume, o trio norte-americano caminha numa paisagem sonora de outro planeta. Saturno, quem sabe, deve soar na mesma frequência de sintonia fina da banda de notas mais ecoadas que tocadas.

Metronomy – Love Letters (Soulwax Remix)

Ainda no sistema solar do espacial clipe “I’m Aquarius”,  o Metronomy encontra o Soulwax. Na mão dos belgas, a faixa-título do novo álbum, “Love Letters”, ganha corpo para pista sem soar agressiva aos moldes dos seus experimentos disco punk.

SBTRKT – Hold the Line (Transitions EP)

Parando na Terra, o marciano SBTRKT desembarcou logo seis faixas em um novo EP. Embora mais extraterrestre que antes, o lançamento pode soar datado. Na vanguarda, o britânico chafurda nos batidas sem precisão de aparecer no Majestic sob a tag #hiphop. Na retaguarda, ele abusa dos glitches e contratempos pontuando camas graves — chega a lembrar caras como Baths. Animação, enfim, que o resumo da ópera eletrônica é bom.

Ellie Goulding – Life Round Here (feat. Angel Haze)

Mais palatável que os comparsas, menos digerível que antes, Ellie Goulding volta os ouvidos ao downtempo e larga mão da barulheira do Calvin Harris. A versão dela para o James Blake é um lado B que não fará tanto sucesso como faixas como “I Need Your Love”, mas deixa espiar um lado mais refinado e autoral da moça.

Bonobo – First Fires (feat. Grey Reverend) (Maya Jane Coles Remix)

Enquanto não volta aos trabalhos, Bonobo é visitado por camaradas como Maya Jane Coles. A moça rearranjou a faixa do britânico como se fosse uma de suas criações: sombria, passa às margens do deep house sem destaque às marcações.

La Femme – Amour Dans Le Motu

Quem reaparece por aqui também são os franceses do La Femme. A receita de psicodelia decadente, surf music obscuro e surrealismo steampunk continua o crème de la crème. Teclados e sintetizadores sinuosos finalizam a fórmula com personalidade. E o clipe é quase uma versão proibidona do clássico Indochine. Talvez se a personagem de Catherine De Neuve usasse LSD em vez de ópio.

Panda Bear – Marijuana Makes My Day

A lista fecha com mais chapação. Dessa vez é o contra-ataque do Panda Bear num novo ode a ela. Parece xamanismo de filme Z. Sabe lá Jah quais os efeitos na produção (da faixa e da brisa).

Facebooktwitterredditpinterestmail
[ssba]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *