O roadmovie onírico do Beach House

Forever Still é um roadmovie estático.  O frenesi do oeste americano de Vanishing Point não cabe na fita. O movimento aqui é taciturno e dadaísta. Coisa de sonho que dura uma longa noite. Do lusco-fusco à alvorada. Imagens que formam um belíssimo par com a música do Beach House.

São quatro músicas: Wild, The Hours, Wishes, e Irene. Todas fazem parte do último e celebrado disco da banda, Bloom. Uma grande história dividida em algumas canções e poucas, porém insistentes, sintéticas e timbradas notas. Para ficar nas poucas palavras.

O show adormece nessa cama. Hipnagógico, tem cacife pra ser um dos grandes concertos do ano no Brasil. Vamos, calmamente, esperar.

Facebooktwitterredditpinterestmail
[ssba]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *