Política

Democracia e a mesmice dos novos tempos da política


Eleições chegando, trazendo consigo o desgostoso e embolorado engodo do poder está nas suas mãos. Não passa da ludibriação da democracia, amalgamada aqui numa lavagem suína (e pré-cerebral) para que seja concebida como sinônimo de voto. Votar é legal — e, para a maioria, obrigatório, mas isso é detalhe.

Vote, adolescente de 16 a 18 anos sem oportunidades de boa educação, que dirá de bons empregos; vote, senhor velhinho que faz da sua aposentadoria tripas coração para comprar remédios e manter o coração e as tripas; vote, você aí dessa cidade afastada, essa sem luz, água, saneamento e uma câmara pra lá de requintada e confortável; e vote você também, que, numa condução lotada, se locomove todos os dias da periferia para o centro e vice-versa, afinal, no dia da votação você vota aí pertinho de casa, numa escola (ou aquilo que se propõe a sê-la).

Pelo menos dá pra achar graça, caso você seja brasileiro. Se você levar na esportiva, até consegue dar uma risada aqui, um comentário feliz acolá, mas nada de mais. Se você levar a sério, sim, você racha o bico. É quando você diz “tem que rir pra não chorar!”, tamanha a graça da desgraça em que estamos envoltos. Aliás, o anedotário da propaganda política, assaz hype e antenado, vem acopanhando a rede e vem se mostrando tão criativo quanto no meio televiso.

Porque na internet, você tem interatividade.

Na web você conhece seu candidato até na mais íntima roupa suja!

E na world wide web você também descobre que é tudo muito rápido, tudo muito veloz.

Sem esquecer de como a política está por todos os lados.

Além de tudo, é versátil:

Pois se a política, para esse senhores e senhoras, pode ser tudo isso (e mai$ um pouco), porque a democracia se restringiria ao voto? Democracia vai além de muita campanha e 5 dígitos. Democracia é a voz uníssona e constante de pessoas que gritam para terem as suas necessidades atendidas e respeitadas; nem sempre são as melhores precisões, mas é assim que se caminha para esse tal melhor. Que interessa? A essa orquestra não estamos acostumados. O que toca em loop por aqui é a Ode a Charlamentarismo.

Por causa desse post eu até lembrei dum grifo meu num livro. É de um antigo jornalista francês, Prosper-Olivier Lissagray, sobre a Comuna de Paris — provavelmente o único movimento revolucionário que deu, realmente, poder ao povo:

Em 1848 disseram ao povo: “O sufrágio universal torna toda insurreição criminosa; o voto substitui o fuzil.” E, quando o povo vota contra os seus privilégios, eles se encolerizam; todo governo é faccioso se levar em conta a vontade popular. O que resta ao povo, se não o argumento peremptório, a força? Ele por fim a tem.

*foto do flickr do Jaume d’Urgell.

Facebooktwitterredditpinterestmail
Música

Ajudar o peixe…

Vá, nem é uma das melhores músicas do Billy Idol. Ou melhor dizendo, nem é um dos melhores hits do pai do Supla — pobre (ou não) coitado que só se fez de hits após o Generation X. O que pegava nessa música era o refrão: ajudar o peixe… Tinha gente que até apelava e emendava aí o backin’ vocal: feche os olhos e vááá.

Nesse caso é uma transliteração do som muito bem sucedida. Afinal, duvido que você escute outra coisa que não seja a súplica ao peixe; caso contrário você sabe a letra — e não vai ser eu quem vai escrever ela aqui!

O cômico é que criaram um site pra isso. Kissthisguy.com só reúne essas confusões entre o que foi ouvido e o que foi escrito. Às vezes a diferença nem é tanta — principalmente em se tratando de profundidade poética —, mas o engano não deixa de ser engraçado.

A começar pela f*dida Purple Rain, cujo verso (Excuse me, while I kiss the sky) dá nome ao site. Ali tem mais um monte.
O Rock the Casbah do Clash virou Lock the Taskbar. O wannabes (de Pretty Fly for a White Guy) do Offspring virou one-eyed peas. Enquanto isso, o drama do REM, It’s me in the corner/It’s me in the spotlight, dá lugar à chanchada Let’s pee in the corner, let’s pee in the spotlight.

A língua do Tio Sam — e a nossa também — é cheia dessas malandragens (mode boça). De vez em quando dá nisso e noutros:



Último vídeo do anderssaruo.com

—————-
Now playing: Stan Getz, João Gilberto, Astrud Gilberto – O Pato
via FoxyTunes

Facebooktwitterredditpinterestmail
Cinema

A humanidade de um homem só

*Resenha do filme O Pagador de Promessas *

O Pagador de Promessas é um clássico que merece ser tratado como tal
A Palma de Ouro conquistada por O Pagador de Promessas, em 1962, não foi um prêmio apenas pro cinema nacional. Foi uma vitória pra toda produção cultural do país, em especial a literatura. Pois, em se tratando dela, O Pagador de Promessas remete a grandes nomes. O início do filme já lembra a aridez de Graciliano Ramos: o trajeto no qual um homem carrega uma cruz é alçado a epopéia devido à trilha sonora magnânima e às tomadas incomuns para a época.

O tempo, aliás, é um dos fatores que dá o tom do conflito no filme. Acompanhado unicamente por sua esposa, Zé-do-Burro carrega uma cruz até a Igreja de Santa Bárbara, a fim de pagar uma promessa. Os dois se vêem numa Salvador com automóveis, jornais, pessoas de todos os tipos e interesses — algo que vai além da vida no sertão trespassada na atuação da dupla Leonardo Villar (Zé-do-Burro) e Rosa (Glória Menezes). A Salvador de O Pagador de Promessas pode ser moderna, mas, até certo ponto, conserva seu ar colonial. Foi lá onde viveu e escreveu o Boca do Inferno. É lá onde ainda há espaço para o escárnio e a sátira. Todo um cenário de Gregório de Mattos é retratado: os aproveitadores e malandros que surgem em cada degrau da escadaria da Igreja; as autoridades, que são vistas simultaneamente com maus olhos e temeridade (aí também um quê de Graciliano Ramos); o sincretismo religioso, que pulula em cada seqüência — para Zé-do-Burro, Iansã é Santa Bárbara.

A película, originalmente uma peça, parece ter sido muito bem adaptada até metade de sua projeção. Após, isso, contudo, a linguagem cinematográfica por vezes é prejudicada em detrimento às características da peça. Os personagens surgem e reaparecem sem continuidade, a trama torna-se muito dedutiva. Felizmente, a ótica do cinema prevalece nos planos. O diretor, Anselmo Duarte, aproveita bem o cenário sem torna-lo constante. Cada cena tem uma apreensão diferente, seja no movimento da câmera ou em takes estáticos.

Em uma dessas cenas, Zé-do-Burro sobe a escadaria junto do padre, dialogando longamente sobre a promessa. O padre, como outros personagens do filme, quase não é nomeado. É um artifício antigo, mas eficiente a fim de transpor o regional a um âmbito global. Os tipos soteropolitanos tem resquícios da humanidade, assim como se faz na literatura de cordel, vertente tipicamente nordestina. Aproveitar esse aspecto foi uma idéia de Dias Gomes, mas muito bem aproveitada aqui, o que não ocorre sempre. É o caso do filme Alto da Compadecida, peça escrita por Ariano Suassuna. Nela, a figura do nordestino João-Grilo, quando retratada na película, cai no estereótipo.

O esterótipo e o paradigma são características que também aparecem em O Pagador de Promessas. Não se pode acusar o filme, contudo, de cair no comum. A cena final é quase super-realismo. Ali a projeção se amarra a Guimarães Rosa, mas, principalmente, ao livro mais antigo do mundo: a Bíblia. Porém, possuir resquícios de outras obras não é o maior mérito de O Pagador de Promessas — nem tão pouco ter ganhado mais três prêmios internacionais. O grande trunfo de O Pagador de Promessas é contar a história do homem brasileiro sem deixar de ser um homem do mundo, daqueles que se vê em qualquer lugar: entre a cruz e a espada.
Facebooktwitterredditpinterestmail
Arte, Design

Feriado serve pra essas coisas

Nem só de viagem pro litoral ou shopping se faz o feriado do paulistano. Faz-se também de alegria por não ter de pegar trânsito, como deu pra sentir na vazia Av. Brasil, sentido Ibirapuera, nesta segunda.

Quando Vidas se Tornam Formas: Diálogo com o Futuro – Brasil/Japão

A minha primeira impressão foi a de que faltava propósito a tudo aquilo. É claro que estamos no ano do centenário da imigração japonesa e bla bla etc e tal. O que seriam, então, aqueles amontoados de plantas na primeira sala? Arte contemporânea? Vá lá… Isso só não pode ser desculpa pra achar relações onde nem existem.

Felizmente, ao fim da exposição a falta de propósito até foi suprida, mas ainda assim de maneira difusa, vaga.

Como pude ler em off (não, isso não existe), a exposição tenta mostrar as interfaces entre a arte moderna, pós-moderna e/ou contemperânea aqui do Brasil e do outro lado do mundo. Isso por vezes é até alcançado: a arte d’osgêmeos (onipresentes) lembra a toy art; o look da Isabela Capeto tem reminescências em Tóquio — até porque as “reminescências de Tóquio são a moda global.

O problema talvez tenha sido a disposição das obras e instalações — que jargão mais eng. civil. O caminho era confuso e por vezes não levava o espectador a imaginar os estreitamentos existentes entre o que se faz lá e o que se faz cá. Isso, de maneira alguma, joga a exposição no lixo. Algumas instalações são bem interessantes, como aquela que diz que “Pode causar vertigem”, ou a colagem (se não for colagem, me perdoem) da Beatriz Milhazes.

Assim, fica a dica (não imperativa): vá. Comece pela sala 2 e passe pela sala 1.

* Mais fotos no flickr que agora há pouco resolveu não abrir.

Facebooktwitterredditpinterestmail