Quantas texturas cabem no novo álbum do Four Tet?

Tem que ouvir pra tentar descobrir. E ainda sobrarão perguntas. Comentários (e respostas, talvez) logo mais, porque Pink, oitavo disco do pseudônimo de Kieran Hebden, tem qualidade. O título volta a um único substantivo ao passo que as referências não são poucas. Abaixo vai uma faixa da fusão sônica de techno, jazz, sound design e por aí vai. A Detroit de Moodymann e Juan Athkins fez escola e subiu pro Canadá.

Facebooktwitterredditpinterestmail
[ssba]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *